LEV DESIGN

Como impulsionar sua criatividade

compartilhe

O que você acha que é a criatividade?

Seria um dom ou um talento nato que só nasce com algumas pessoas?


Aqui na Lev, nós atrelamos muito a
criatividade com um sentimento de inovação.

 

E acreditamos que como qualquer outro tipo de habilidade, é possível sim se tornar uma pessoa mais criativa.

Alguns profissionais têm “ondas” de
criatividade


Horas estão no seu melhor estado, conseguindo um resultado excepcional e horas estão completamente exauridos.


E é quando acontece a baixa da onda. 


Cansaço, baixa autoestima, pressão extrema… tudo influencia na sua produção criativa.

producao criativa

Nesse artigo queremos compartilhar com você, algumas reflexões para impulsionar a sua criatividade. Mesmo quando você está na baixa da onda.

 

E nós já te adiantamos: não existe um segredo escondido a sete chaves que vai liberar toda a sua persona criativa. Qualquer um que falar que isso existe é balela.

 

Mas antes de começar vamos refletir sobre a criatividade.

 

Continue lendo…

 

Você já ouviu esse ditado:

 

“Pra quem só conhece o martelo, todo parafuso é prego.”

 

O que podemos observar é que:

  •  As pessoas criativas têm um repertório amplo de cultura.
  •  Conseguem de forma prática acessar, montar e desmontar suas vivências.
  •  E o mais importante: combinar esses elementos para que assim surja o novo.

O ser criativo exerce mais a habilidade “combinativa” do que a genuína criação na pura forma.

 

Só se cria algo a partir das suas experiências anteriores. 

 

E como ser mais criativo?

criatividade guarda chuva

Pesquisas indicam que a falta de criatividade está diretamente ligada a falta de estímulos. 

 

Uma das principais características dos seres humanos é a capacidade de se adaptar. E isso tem seu lado bom e ruim.

 

O lado bom de se adaptar é que você consegue transformar uma situação desagradável.

 

Então, ao usar a criatividade pode criar um novo cenário. 

 

Agora o lado ruim é que também fica muito fácil de se conformar com esse novo cenário. E esse é o principal desafio para quem deseja ser mais criativo. 

 

Portanto aqui vai o primeiro ponto para você estimular a sua criatividade:

Não se conforme

acomadado

Ao tomar a forma de algum lugar, ou mesmo de uma situação, você fica passivo e acaba com o poder de decisão que vai te impulsionar.

No livro Criatividade S.A. que conta a história da Pixar, o autor Ed Catmull, que foi o presidente da companhia, conta  que a Pixar revolucionou o mercado de animações gráficas na época.

criatividade sa livro


Mas todo esse processo de mudanças e adaptações não foi muito bem recebida pelos próprios funcionários.


No começo, quando novos softwares foram introduzidos para a equipe, a maioria dos profissionais se recusaram a aprender como eles funcionavam por medo de errar. 


Mesmo que isso significasse um aumento de desempenho dos seus trabalhos.


Eles estavam presos ao formato dos antigos programas.


Mas com uma gestão voltada para a criatividade, o líder da Pixar estabeleceu uma nova cultura criativa para que a equipe abraçasse a inovação e não tivesse mais medo de errar.


Para isso ele teve que criar um ambiente para que a criatividade não fosse reprimida. E isso só aconteceu quando ele estabeleceu um momento dentro do fluxo de trabalho para que esses funcionários pudessem errar.


O medo e o fracasso vem dos nossos modelos de educação. Fomos treinados e moldados a não cometer falhas, e buscar sempre a perfeição em todas as ações.


Desta forma, para manter-se criativo, é necessário re-enquadrar o erro.


Entender que ele funciona dentro de um processo.


As ideias criativas muitas vezes vem de uma sucessão de tentativas falhas. E o erro e a falha são caminhos necessários para construir e combinar novas ideias.


Portanto, não se conformar, se lançar ao risco e até mesmo ao aprender uma nova habilidade tira você de uma estado passivo e naturalmente você busca por soluções mais criativas.


Que inclusive nos leva para o segundo ponto que é complementar…

 

A famigerada Zona de Conforto

 

zona de conforto


Você deve estar pensando agora: “
Ai que coisa mais clichê…


Pode parecer clichê, mas a quantidade de pessoas que se engana achando que está empurrando seus limites mas cria desculpas para permanecerem na sua zona de conforto é imensa.

 

Isso porque muito se diz para que as pessoas saiam da zona de conforto, mas poucos falam de COMO sair dela.

 

zona de conforto

Geralmente você busca sair da zona de conforto na maior velocidade possível. Porém essa ação pode ter um efeito rebote por não se sustentar por muito tempo.

zona de conforto

Por exemplo, você quer criar um novo hábito (aqui falo de hábitos do “bem”) como uma nova habilidade, um novo recurso.

 

Você começa um curso e quer fazê-lo da forma mais rápida possível, pula toda a prática e se “entope” só da teoria. No final você sabe que fez um esforço gigante para consumir tudo de uma vez, mas de fato não aprendeu nada.

 

Por que você estava de forma passiva. E esse é um auto-engano comum.

 

Uma sugestão de abordagem sobre a zona de conforto, vem do livro Mini-Hábitos, de Stephen Guise. 

 

livro mini habitos

 

Nele o autor sugere que você crie pequenas ações que requerem o mínimo de esforço, porém preza pela consistência e qualidade.

zona de conforto

 

Dessa forma você vai expandir a sua zona de conforto de forma gradual. E faz com que o crescimento seja constante e durável.

 

E por último e não menos importante temos …

 

O ócio criativo

 

Esse conceito apareceu com um sociólogo, Domenico De Mazi que e escreveu um livro chamado: O Ócio criativo.

 

Livro - O Ócio Criativo

 

Dentro das pesquisas ele percebeu que o mercado de trabalho estava muito encaixotado, só havia muita produção e competitividade, ou seja, pouco espaço para inovação e criatividade.

 

Ele viu que: uma forma de você se tornar mais criativo dentro de uma empresa era praticando o ócio criativo.

 

Mas o que é o ócio criativo?

 

É você estabelecer um momento de lazer, como por exemplo ir a praia para ler um livro, mas esse livro vai te alimentar, vai te capacitar de alguma forma. É uma espécie de trabalho prazeroso.

 

lendo livro com prazer

Esse tipo de comportamento te motiva no dia a dia, te satisfaz e deixa você mais tranquilo para tomar melhores decisões.

 

Porém o ócio criativo não deve ser confundindo com procrastinação.

 

Por exemplo ficar rolando nas redes sociais dizendo que isso é trabalho… é uma linha tênue, então tome cuidado para não acabar procrastinando.

 

Agora se você, por exemplo busca uma série que vai te trazer informação de qualidade para um trabalho que você vai desenvolver, isso sim é ócio criativo.

 

O detalhe aqui é saber o que consumir nesses momentos.

 

Você pode assistir um filme em que toda a fotografia traz uma imersão diferente, e seu olhar está atento a isso.

 

Esse tipo de olhar pode melhorar um enquadramento nas suas próprias fotografias, por mais amadoras que sejam.

 

Ir a um museu pode te trazer uma percepção de cores diferentes ao olhar as obras de artes.

 

Ou até mesmo uma conversa com os amigos pode elevar o seu senso crítico sobre opiniões de forma geral.

 

Essas foram algumas reflexões sobre criatividade.

 

Se você gostou desse texto, compartilhe com seus amigos e já aproveita para aplicar o ócio criativo.

Se quiser ficar por dentro de mais assuntos como esse, se inscreva na nossa lista vip.

Continue lendo

Outros Artigos

Qual é a lição que podemos tirar do Fyre Festival

Uma das questões que mais negligenciamos no nosso dia a dia é o planejamento das nossas tarefas. 
É possível enxergar em diversos seguimentos como a falta de planejamento pode acabar facilmente com uma empresa ou o trabalho de uma pessoa. 
Um grande exemplo disso é o evento Fyre Festival. O caso ocorreu em 2017 e até hoje é lembrado pela velocidade em que chegou ao gosto do público, e principalmente na rapidez em que virou um verdadeiro fracasso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.